A Importância da Coordenação Técnica nos Escalões de Formação

A Coordenação Técnica de um clube é hoje em dia a principal ferramenta que permite de forma organizada, planeada e estruturada orientar um processo formativo desde o seu ponto inicial, percorrendo todas as etapas de desenvolvimento até o momento que o clube definiu como a fase final do processo de formação dos seus atletas.

Nos escalões de formação verifica-se muitas vezes de forma desconectada o treinador trabalhar com as suas próprias ideias, métodos de treino e formas de pensar distintas. A grande responsabilidade da Coordenação Técnica é numa primeira fase desmontar a ideia do processo formativo individualizado por escalões e introduzir uma forma global de pensar entre todas as partes, que permita uma interligação diária na estrutura desportiva em prol de um objetivo comum final, previamente delineado aplicando todas as ferramentas ao seu dispor nesse sentido.

Para o projeto desportivo ser sustentado a médio prazo, é necessário em primeiro lugar existir uma interligação entre os escalões de formação e a equipa sénior do clube, de forma a que todo o processo esteja em simbiose, conseguindo o coordenador técnico descrever e operacionalizar os princípios, fundamentos e ações de treino que os nossos atletas devem adquirir no processo formativo.

O Modelo de Formação Desportiva desenvolve-se na prática através de um trabalho essencial de planeamento onde o Coordenador Técnico vai definir qual o Modelo de Jogo do Futsal Formação do Clube, estruturando para cada escalão quais os comportamentos, objetivos, regras, fundamentos, ações individuais, combinações a adquirir em cada zona do campo, quais os princípios e subprincípios de jogo que compõem a nossa forma de jogar. Desta forma as etapas de desenvolvimento de cada escalão estão interligadas, aumentando de complexidade nos seus conteúdos, de forma gradual sendo operacionalizadas em treino através de Unidades de Treino estruturadas seguindo os critérios pré-definidos e com os conteúdos delineados antecipadamente pela Coordenação Técnica.  

 

 

O Coordenador Técnico deverá efetuar uma monitorização diária do trabalho dos treinadores, efetuando relatórios das suas unidades de treino, relatórios de coordenação técnica do desempenho dos treinadores durante os jogos e reunindo semanalmente com todos eles individualmente, trabalhando sobre o que foi observado e o que deve ser melhorado.

Nestes pontos destaca-se claramente a componente pedagógica do treinador, a forma de intervir durante o treino, a pertinência dos exercícios aplicados em treino, a qualidade da sessão efetuada, a intensidade de treino, os “feedbacks”, o ambiente durante a sessão, o processo coletivo das equipas e a avaliação individual dos atletas. 

 

 

Muito importante, a verificação do relatório de jogo pelo treinador que engloba claramente pontos importantes como organização defensiva, organização ofensiva, esquemas táticos, superioridades e inferioridades, 5vs4, cruzando a informação que o treinador coloca, com o que o Coordenador Técnico visualizou em contexto de jogo, encontrando formas de melhorar os processos de jogo sempre numa perspetiva construtiva

Para ser recebido positivamente toda a dinâmica formativa, o processo deve ser aberto entre todos os treinadores, sendo que seja natural a sua contribuição, conseguindo assim os treinadores observar diferentes processos de treino entre cada escalão. Para que exista uma dinâmica interativa, informação acessível a todos e uma plataforma que permita o coordenador técnico à distância de um clique ter acesso a toda a informação dos seus escalões de formação, é crucial construir um espaço drive de fácil acesso, onde os treinadores coloquem toda a informação requerida.  Esses dados podem assim ser consultados a qualquer momento de forma extremamente rápida e eficiente, podendo por exemplo no dia do próprio treino, o Coordenador irá consultar a Unidade de Treino do escalão que vai observar, verificando em tempo real os conteúdos propostos e a pertinência da sessão. 

O Coordenador Técnico deve criar pastas onde possa consultar rapidamente os planeamentos anuais, mensais, semanais de treino, as respectivas unidades de treino, os registos de assiduidade, plantel, fichas de avaliação dos seus atletas, relatórios de jogo coletivo, relatório de jogo individual, fichas de avaliação de atletas à experiência e outros conjuntos de elementos que entenda que faça sentido supervisionar.

 

 

Um ponto muito importante tem a ver com a gestão dos planos de transição dos nossos atletas, sendo crucial definir previamente que os jogadores não são de nenhum Treinador, mas sim jogadores do clube, competindo ao Coordenador Técnico avaliar o rendimento desportivo dos atletas, definindo qual o melhor enquadramento de treino e de competição para evoluir diariamente.  

De forma a ter o seu plano estruturado o Coordenador deve gerir os planos de transição de subida ou descida de escalão de cada atleta, efetuando uma avaliação diária, requerendo após 15 dias de treino o relatório dos Treinadores sobre estes atletas, procurando perceber o sucesso ou insucesso das suas ações em contexto desportivo para enquadrar o atleta no melhor contexto evolutivo

No âmbito do recrutamento o coordenador técnico terá que criar a sua própria equipa de “scouting”, alimentar a sua base de dados através de um conjunto de estratégias, tais como incluir no relatório semanal um espaço para os treinadores colocarem a informação dos melhores jogadores das equipas adversárias, dinâmicas de “open days”, rede de contactos, observações e dinâmicas de recrutamento nas escolas.

Muito importante em termos de Coordenação Técnica será a conceção de um Caderno de Exercícios da Formação que represente a metodologia de treino que se pretende aplicar. Para ser aplicada de uma forma correta, devem ser efetuadas reuniões prévias de coordenação técnica com todos os Treinadores, de forma a ser especificado para cada escalão os conteúdos de treino a operacionalizar, articulando a progressão correta dos conteúdos por todos os escalões. Dessa forma consegue-se o envolvimento de todos os treinadores, sentindo-se eles parte ativa do processo, evoluímos na dinâmica grupal de equipa, proporcionamos aos Treinadores introduzirem as suas propostas de treino para cada conteúdo que foi escolhido no escalão respectivo, sendo da responsabilidade do Coordenador Técnico agilizar todo este trabalho de equipa e finalizar o documento final composto como o Caderno de Exercícios da Formação.

 

 

Este documento deve transmitir toda uma metodologia de treino que se pretende aplicar no desenvolvimento dos nossos atletas, integrando os conteúdos de treino adequado as etapas de desenvolvimento de cada escalão, proporcionando as ferramentas necessárias para os atletas de forma gradual, evoluírem nos seus escalões.

O objetivo final do processo formativo será os atletas terem uma identificação total com o Modelo de Jogo da equipa sénior, tendo adquirido durante toda a sua formação os elementos necessários para competirem com sucesso e dominarem os comportamentos desejados pelo Treinador.

O investimento na formação continua dos treinadores da formação é crucial, sendo o Coordenador responsável por promover o estímulo para todos os treinadores melhorarem o seu grau de nível de treinador, devendo sempre colocar à disposição formações variadas que englobam o processo de treino. Neste âmbito destaco claramente formações que vão desde a ética, pedagogia, modelos de treino, modelo de jogo, etapas de desenvolvimento na formação, nutrição, conteúdos de treino, “scouting”, gestão de equipas e outro conjunto de ofertas formativas que sejam enriquecedoras para o desempenho da atividade de treinador. 

A Coordenação Técnica é indissociável de uma ligação permanente ao treinador da equipa sénior, para os canais de ligação estarem ativos e o processo entre todos os escalões do clube estar sincronizado. O trabalho diário do Coordenador Técnico com o treinador da formação é o segredo da evolução de ambos, deve assim o Coordenador acompanhar todas os momentos do processo de treino e encontrar formas de fazer evoluir o seu Treinador em todos os aspetos inerentes à sua função.

Um clube sem uma coordenação técnica efetiva dificilmente possui um processo formativo de qualidade, se queremos investir na formação dos nossos atletas é necessário pensar o projeto desportivo do nosso clube, como queremos formar os nossos atletas e encontrar formas de o executar com rigor e qualidade.

 

 

7 Pontos-chave da coordenação técnica nos escalões de formação

  1. O Coordenador Técnico é o “Guardião da Entidade Formadora “, da política desportiva do clube e que tem nos seus ombros a responsabilidade para aplicar as estratégias, processos, atividades que definem a sua Visão do clube;
  2. Definição de um Modelo de Jogo, Plano Estratégico, Fundamentos de jogo e implementar atividades que se referem ao desenvolvimento técnico, monitorização e avaliação técnico pedagógica da Entidade Formadora;
  3. Ser um elemento de comunicação entre todos os elementos do clube;
  4. Respeitar as etapas de desenvolvimento do atleta, adaptando o seu nível de maturidade, ao grupo de trabalho e percepcionando uma visão global do seu potencial futuro e não no imediato;
  5. O nível de exigência de comportamento está estabelecido e é consistente para todos os intervenientes;
  6. Existe uma relação positiva e de confiança entre o coordenador e o treinador;
  7. Tarefas e funções claramente definidas em função das competências;

Outros pontos importantes 

  • Construir relações e canais de comunicação com a família dos atletas;
  • Definir, liderar programas e estratégias da Entidade Formadora;
  • Desenvolver um Documento Orientador Técnico, Dossier de Treino, Plano de Transição e documento de Recrutamento e Angariação;
  • Definição de um Modelo de Jogo, Plano Estratégico e Fundamentos de Jogo que suporte a visão desportiva do clube;
  • Plano de Transição que seja gradual e equilibrado para a evolução dos atletas;
  • Definição de prioridades e estratégias ao longo da época desportiva.
  • Jogadores enquadrados em função do rendimento e potencial;
  • Interação constante entre escalões – Treinos e Jogos;
  • Avaliações regulares para definição e ajuste do processo de formação individual;
  • Aumentar o volume de treino dos atletas criando dinâmicas entre escalões.
  • Proteger uma identidade única do clube;
  • Ser um elemento de comunicação entre todos os elementos do clube.
  • Possuir uma Visão do Clube;
  • Os treinadores terem responsabilidade e capacidade de opinião em relação à estrutura do processo;
  • O espaço de treino é propício a serem eles próprios a apresentarem as suas ideias sem julgamento;
  • Avaliar o antes, durante e após a intervenção do treinador;
  • Definição de um plano estratégico de curto, médio e longo prazo;
  • Fazer do desporto um serviço apetecível e atrativo;
  • Política pública desportiva;
  • Planeamento Estratégico no clube;
  • Guardião da Identidade do Clube;
  • A direção é mais importante que a velocidade;
  • Código de conduta para Pais e Treinadores;
  • Acompanhamento Escolar, pessoal e Social;
  • Coordenador Técnico define de acordo (com a Visão, Missão e Valores do Clube), os regulamentos e códigos de conduta para atletas, treinadores, pais e dirigentes;
  • Ter um dia adequado para falar com os Pais, definindo canais de comunicação, momentos e local;
  • Delegar e responsabilizar pelo cumprimento de tarefas, definir clara dos objetivos;
  • Avaliação inicial do Clube;
  • Operacionalizar e avaliar é a chave;
  • Interligação entre os escalões;
  • Planeamento da época desportiva do clube e de cada escalão;
  • Treino centrado no jogador;
  • Formação de grupos equilibrados;
  • Noção de mérito deve estar presente;
  • Avaliação do processo, resultado será consequência a longo prazo.
  • Etapas de Desenvolvimento – Nível Básico, Nível Elementar, Nível Intermédio e Nível de Especialização;
  • Delinear um conjunto de orientações que permitam a evolução desportiva e social dos jovens jogadores;
  • Etapas de Formação – Desenvolvimento do jogador de Futsal;

 

O único lugar do mundo onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário" 
Albert Einstein

 

Comments

  • RR
    Ruca

    Muito bom! Votos de continuação de excelência naquilo que fazes.
    Parabéns Estrela!

L’essentiel de l’entraîneur

You can use this element to add a quote, content...

Jaquim Alberto