Escolha de Jogadores de Potencial

Num momento de interregno, devemos transformar cada momento de “saudade” como um momento de reflexão. No primeiro texto deste novo projeto trago-vos um tema com o qual a maioria dos treinadores de formação se debate diariamente e que nos projeta para aquilo que considero o elemento mais importante do futebol de formação: o jogador!

Numa era em que o recrutamento de jogadores está na “moda”, cabe-nos refletir sobre a escolha dos mesmos numa ótica de maximização dos clubes e em benefício do futebol Português!

Na minha experiência enquanto treinador, primei pela capacidade de escolher jogadores para um pequeno clube que em tempos foi um dos grandes “fornecedores” de jogadores para o Futebol Português. Experienciei a difícil tarefa de procurar em “seca e meca” jogadores que tornassem os plantéis do clube mais competitivos. O reflexo disso? Maioritariamente um reflexo coletivo. Um reflexo que beneficiou o clube em questão em termos competitivos, financeiros e sociais.

A escolha criteriosa de jogadores permitiu que o clube fosse colecionando estatuto, respeito, atenção e sucesso! Fatores estes que permitiram aglutinar condições financeiras essenciais para a sua sobrevivência como por exemplo: a receção de mais-valias desses jogadores quando atingem o estatuto profissional; patrocínios; mais jovens a procurar o clube; protocolos com clubes grandes.

Por esta altura, os leitores deverão pensar em expressões do género: “isso é tudo muito bonito, mas eu preciso de ganhar para poder subir de escalão e consequentemente ganhar mais dinheiro”. Dou-vos razão, mas também vos alerto para o facto de termos de ser NÓS a provar que a escolha de jogadores irá beneficiar o clube. Alterando mentalidades, assumindo o risco, encontrando uma fórmula que garanta sucesso imediato mas que previna o futuro do clube.

Nesta introdução que não foi mais que um alerta ao leitor que esta não é, apenas, a opinião, de um treinador SÓ de clube grande, onde aparentemente tudo é mais fácil porque a escolha é mais vasta!

É verdade que é mais vasta, mas não é verdade que seja mais fácil. Quanto mais vasta é a escolha e quanto maior é o investimento, maior é a responsabilidade, maior é o risco. Observar jogadores para o imediato é fácil. Qualquer “leigo” sabe observar um jogador e dizer “aquele puto é muito bom!”.

Como costumo dizer, há duas coisas em Portugal que qualquer pessoa (julga que) é: Treinador de Futebol (todos temos uma opinião) e Médico (sabemos todos que medicamento devemos tomar). O problema em ambas as profissões, e daí existirem especialistas, trata-se da prevenção. Permitam-me este paralelismo pois se em Medicina se fala em Medicar para prevenir, enquanto Treinadores também devemos treinar e escolher jogadores para o mesmo efeito “Médico”.

Na escolha de jogadores o processo mais complicado é o de prevenir. Prevenir o menor potencial, prevenir um investimento de curto prazo e prevenir que sejamos rotulados a escolhas que beneficiem apenas o próprio “ego” e não o clube.

Existem 4 características fundamentais para podemos prevenir e identificar potencial num jogador:

  1. técnica individual,
  2. velocidade,
  3. personalidade
  4. inteligência prática.

Ao longo dos textos que vos vou escrevendo neste projeto, vou lançar-vos vários desafios.

O primeiro desafio que vos lanço é testarem a vossa capacidade de numa escala de 0 a 5 avaliarem os vossos jogadores em cada uma destas características. Após essa avaliação lerem o próximo texto que lançarei e juntos refletirmos sobre o tema em questão. Não havendo, seguramente, verdades absolutas!

Sendo este um tema sensível, extenso de explicação e dando-vos tempo de reflexão, remeto para o próximo texto a minha opinião detalhada, técnica e cientifica acerca da avaliação destas 4 características fundamentais como elementos avaliadores de potencial de um jogador de futebol.

“Quem só de futebol sabe, nem de futebol sabe”

Deixa um comentário

Todos os comentários são analisados antes de serem publicados