Visão de Jogo

No planeamento do modelo de jogo da nossa equipa, estão assentes os fundamentos que vão segurar o processo de construção do processo de treino e os sub-princípios que estão presentes nos exercícios de treino desenvolvidos.

Para Oliveira (2003a) a especificidade é quase o princípio dos princípios de treino.

Tudo aquilo que aparece no treino tem que ser em função daquilo que nós identificamos como importante para o jogo, ou seja, não deve surgir nada no treino que não seja em função dos comportamentos que nós desejamos para o nosso jogo, quer em termos coletivos, quer em termos sectoriais e individuais dos jogadores. Por isso o princípio da especificidade é quase no seu todo, algo que tem uma importância crucial na metodologia de treino.

Hoje vamos incidir nesta reflexão, sobre como trabalhar alguns sub-princípios de jogo que estão englobados numa momento chave da nossa equipa como a organização defensiva, como podemos estimular a aquisição dos comportamentos pretendidos moldando os exercícios de treino dentro da nossa Unidade de Treino.

1º Exercício de treino

Organização Defensiva

O primeiro sub-princípio que vamos abordar dentro da organização defensiva tem a ver com a reação rápida a perda de bola, um momento que define o sucesso de travagem de momentos perigosíssimos para a nossa equipa como as transições ofensivas adversárias.

Exercício: 5 vs 5 + 2 jokers + 4 apoios

Nesta proposta de treino incorporamos três momentos que estão subjacentes ao nosso modelo de jogo:

  1. Manutenção de posse de bola explorando zonas interiores ou espaço exterior;
  2. Transição ofensiva após recuperação de bola;
  3. Reação a perda de bola.

    Tempo: 5' x 4

    Número: 14

    Espaço: 6 m x 8 m

    Objetivo(s) específico(s)

    • Reação a perda de bola
    • Velocidade de execução
    • Transição defensiva
    • Transição ofensiva

     Descrição e Organização Metodológica

    - Equipa de que está em posse de bola tenta que os defesas não recuperem a bola, jogando a dois toques.

    - A equipa azul possui, dois jogadores jokers que jogam a 2 toques e também quatro apoios exteriores mas que jogam apenas a um toque, dando desta forma várias linhas de passe para os jogadores azul explorarem o espaço exterior e interior.

    - A equipa que está a tentar recuperar a bola, se conseguir recuperar a bola e marcar golo numa das 4 balizas passa nesse momento a ser ela que está em momento de posse de bola no espaço definido, invertendo os papeis com a equipa adversária.

     

    Neste exercício trabalhamos sobre um espaço definido, com a equipa que tem posse de bola frente a equipa que pretende recuperar a bola, sendo que a equipa de 5 jogadores que está em posse de bola tem dois jokers dentro do espaço de jogo mais 4 apoios fora para ligar.

    Os elementos que estão a efetuar posse de bola, podem jogar com os 4 apoios exteriores, cada jogador da equipa que está em momento de efetuar posse de bola, possui dois toques e os apoios exteriores (Gr/DC ou lateral/extremo) apenas um toque, para aumentar a velocidade do exercício.

    Os 5 jogadores que estão a defender, tentam agressivamente recuperar a bola e no momento que conseguem recuperar, têm como objetivo marcar golo numa das 4 balizas que estão colocadas fora do espaço de jogo. Nesse momento em que recuperaram a bola, estão livres de toques para tentar marcar golo, se o conseguirem invertem os papeis com a equipa adversária e têm como prémio passar a ser a equipa em posse de bola e os seus adversários a equipa que defende.

    O ponto fulcral do exercício está na equipa que está a fazer posse de bola e no MOMENTO em que existe uma perda de bola, qual a sua reação à perda e como rapidamente reagem para impedir o adversário de pensar ou progredir com a mesma.

    Este exercício é concebido assim com os momentos que identificamos serem cruciais trabalhar tendo em conta o nosso modelo de jogo, desenvolvendo e estimulando o sub-princípio da reação à perda de bola, procurando dessa forma complementar a qualidade defensiva do nosso conjunto coletivo, sempre com o Treinador a ter a preocupação de colocar rapidamente uma bola no espaço de jogo, quando a que está em jogo deixa de estar disponível.

    Consegue-se assim ter um exercício dinâmico, onde existe também uma clara aposta no fator da tomada de decisão dos jogadores que estão com posse de bola, verificando quais as linhas de passe disponíveis, o espaço que está mais livre para ser endereçado o passe, visualizando de forma simples as zonas exteriores e interiores onde é possível progredir.

     

    2º Exercício de Treino

    Organização Defensiva e Ofensiva

    Neste exercício apresentamos uma proposta de treino que visa trabalhar as oscilações defensivas da linha de 4 defesas mas acima de tudo, o comportamento que pretendemos incutir na nossa linha defensiva após uma variação rápida de corredor da equipa adversária e como nos vamos posicionar em momento de cruzamento adversário.

    Tempo: 10'

    Número: 10 elementos

    Espaço: 1/2 campo

    Objetivo(s) específico(s):

    Oscilação defensiva e mudanças rápidas da bola para o corredor contrário.

    Descrição e Organização Metodológica

    - Existe uma linha defensiva de 4 elementos ( jogadores azuis).

    - Existe uma linha ofensiva com um extremo esquerdo, extremo direito, dois médios interiores, um PL e um segundo avançado.( jogadores vermelhos).

    • 1- Extremo vermelho recebe bola, equipa azul deve oscilar lateralmente.
    • 2- extremo vermelho passa a interior para trás que com um passe longo inverte o sentido de jogo para o extremo contrário.
    • 3- Equipa azul oscila para o lado contrário.
    • 4- Extremo vermelho conduz bola pelo corredor com oposição passiva de lateral vermelho e cruza com linha de 3 defensiva posicionada vs PLança vermelho.
    • 5- Jogadores voltam à posição central inicial e Treinador recoloca bola num extremo aleatoriamente repetindo se processo.

     

    O exercício consiste em 6 jogadores que estão posicionados no seu momento ofensivo (ponta de lança, segundo avançado, extremo esquerdo, extremo direito e os dois médios centros) frente a uma linha de 4 defesas.

    É proposto pelo treinador que a bola se desloque numa velocidade reduzida num primeiro momento do médio centro para o extremo e que seja corrigido o posicionamento da linha defensiva nesse momento. Perante o nosso modelo de jogo, na organização defensiva o lateral pressiona o extremo fechando a zona central e os dois centrais efetuam uma oscilação defensiva um pouco mais atrás, estando o lateral do lado contrário a fechar a zona do segundo poste, tudo com distâncias equivalentes promovendo coesão defensivo e alinhamento de profundidade.

    O ponto fulcral do exercício passa-se quando a bola é colocada no médio centro novamente e existe uma variação rápida do corredor de jogo e a linha defensiva tem que se posicionar rapidamente. É importante o alinhamento defensivo neste momento, mas fundamentalmente incutir que, no MOMENTO de cruzamento, é obrigatório os jogadores não se focarem apenas na bola mas sim certificarem-se que os jogadores ofensivos estão com marcação apertada, colocando-se sempre à frente destes para impedir a finalização mas tendo sempre a referência de marcação controlada, principalmente com o braço ou acompanhando deslocação através de controle visual.

    Sabendo que em contexto de jogo, muitas vezes quando existem cruzamentos os jogadores defensivos são atraídos pela bola e não referenciam a marcação, este exercício acaba por desenvolver um compromisso defensivo forte e com os comportamentos pretendidos subjacentes à nossa organização defensiva e ao modelo de jogo que foi elaborado pela equipa técnica.

    Podemos desta forma, com um planeamento correto desenvolver um modelo de jogo e criar depois uma metodologia de treino que desenvolva os sub-princípios que são importantes para o Treinador incutir na sua equipa e que tenha “transfer” direto para o contexto competitivo.

    Comentários

    Partilha a tua opinião